Scup

Alex Chung, fundador e CEO do Giphy, é quietinho, até meio tímido. Diferente de outros palestrantes que apareceram no SXSW, não é alguém que domina com naturalidade o palco, ele até gagueja. No entanto, é tão nítido o quanto ele acredita que os gifs são o futuro da comunicação, que ninguém piscou em sua apresentação e todo mundo saiu convencido — ou pelo menos nós da Scup.

 

A teoria de Chung é que o texto é a pior forma de conversão de informações já criada, isso porque são necessários muitas palavras e parágrafos para dizer algo que um vídeo consegue passar em pouquíssimos segundos. E ele provou isso com uma apresentação 100% feita por gifs, em milésimos de segundo, a cada troca de slides, a plateia reagia da forma que ele gostaria.

 

Para ele, os vídeos, mais especificamente os vídeos curtos são o futuro. Isso porque ninguém mais lê muito: os millennials passam 18 horas conectados por dia e assistem, em média, apenas 3 segundos por vídeo. Todas as nossas ações são mediadas pela tecnologia, seja ficar em uma fila, ver TV ou conversar com amigos. O smartphone está sempre presente — por mais chato que às vezes isso seja.

 

Os Simpsons conectados no celular

 

Isso significa que as marcas tem todo esse espaço para explorar. São horas e horas para fixar seus conteúdos nas mentes dos consumidores usando ferramentas mobile. É por isso que o Giphy criou um estúdio de produção de anúncios em gifs para as marcas parceiras. Desta forma, as marcas podem usar esse tipo de comunicação em seus próprios canais, mas também e mais importante: podem ser usados pelos consumidores quando eles procuram um gif para enviar.

 

O Giphy já está integrado em milhares de plataformas (Stories, Snapchat, Facebook e Slack só para citar algumas) e o público as usa para encontrar o gif que exemplifica perfeitamente a mensagem que querem passar. Imagine então que quando alguém buscar por “hungry”, por exemplo, aparece um gif patrocinado, criado pelo McDonald’s de alguém devorando um Big Mac.

 

Para os consumidores é uma forma de mostrar um sentimento, você facilmente devoraria um hamburger naquele momento, mas para a marca é mais que uma possibilidade, é ser peça de uma mensagem criada pelos próprios usuários, o tal do user generated content (UGC) — a menina dos olhos dos marketeiros.

 

A Amazon já está fazendo isso.

giphy Amazon

giphy caixas da Amazon

giphy da Amazon comemoração

 

Veja aqui o que o Giphy Studios já produziu para as marcas.

 

Para ele o futuro são gifs em tudo. Os stickers animados que se sobrepõe ao conteúdo criado foram o primeiro passo, depois os gifs em realidade aumentada e agora a criação de anúncios pensados especificamente para virarem gifs. E olha, a gente tem que concordar.

 

Ouvimos muito aqui no SXSW que as marcas precisam se humanizar, ser reais e criar uma conexão verdadeira com os consumidores. Se essa é a tendência, é natural então que as empresas se comuniquem com os consumidores da forma que pessoas conversam entre si, usando linguagem natural, emojis e GIFs, por que não?

 

Nós da Scup concordamos e assinamos embaixo. E você?

Deixe Sua Opinião

(Your email address will not be published. Required fields are marked)